6 cuidados ao contratar empresa de segurança e monitoramento

Tempo de leitura: 5 minutos

A necessidade de proteger o patrimônio da sua empresa, a escalada da violência e o medo de sofrer danos te convenceram da importância de contratar uma empresa de segurança e monitoramento. Mas para que, de fato, você tenha os resultados esperados – ou até se surpreenda positivamente com a contratação do serviço, é necessário muita cautela. Do contrário, sua empresa pode acabar não sendo protegida como deve e ter grandes prejuízos. 

Contratar qualquer serviço requer uma série de cuidados – isso vale para qualquer situação, desde um empregado doméstico, até a escola dos filhos, passando por um pacote turístico. Quando se trata de segurança e monitoramento, os cuidados tornam-se ainda maiores. 

Uma empresa de segurança que não esteja adequada às exigências legais ou que não tenha serviços qualificados pode acabar expondo ainda mais sua organização a perigos. Pior: pode implicar sua própria empresa em pendências legais e judiciais, o que traz prejuízos e desgastes na imagem da empresa.

Você pode até pensar que talvez, então, seja melhor fazer a segurança de maneira orgânica, criando um departamento dentro da sua empresa, eliminando um serviço de segurança e monitoramento de terceiros. Mas esta nunca é a melhor opção, pois é mais custosa, mais burocrática e arriscada – se a sua especialidade no mercado não é a segurança, não se atreva a querer exercer uma função tão séria, que envolve a integridade das pessoas e do seu patrimônio físico. 

O mais adequado sempre será optar por um serviço terceirizado e especializado, desde que você observe alguns requisitos básicos na hora de escolher a empresa que vai cuidar da segurança e monitoramento do seu negócio. 

Veja, a seguir, os aspectos aos quais você deve prestar atenção:

1. Verifique a legalidade da empresa de segurança e monitoramento

Assim como qualquer empresa, em qualquer segmento, serviços de segurança precisam cumprir com uma série de requisitos para que tenham autorização de funcionamento.

No caso de segurança e monitoramento, a empresa precisa obter uma autorização de funcionamento emitida pela Polícia Federal. Por sua vez, essa liberação só ocorre depois de um processo de análise de mais de uma dezena de documentos que pode durar até dois meses.

A autorização é dada por meio de alvará publicado no Diário Oficial da União e requer renovação periódica.

Portanto, não deixe de checar se a empresa tem a devida liberação de funcionamento expedida pelas autoridades do país. 

2. Certifique-se de que os vigilantes da empresa também se enquadram nas exigências da lei

Certamente, ao contratar um serviço de segurança e monitoramento, você vai querer vigilantes atuando na sua empresa. Pois saiba que, assim como a empresa de segurança em si, os vigilantes também precisam cumprir com requisitos legais mínimos. 

Os vigilantes precisam ter a carteira nacional de vigilante (CNV), registro de armamento e certificados – estes últimos devem estar em dia e serem atualizados periodicamente. 

Não deixe de se assegurar do devido enquadramento dos vigilantes às determinações legais.

3. Considere o tempo de experiência da empresa

À frente do seu negócio, na hora de contratar um novo colaborador, é certo que você sempre considera o tempo de experiência dele, não é mesmo?

Quanto mais experiência, mais seguro você se sente da contratação. Pode até ser que você contrate um profissional sem experiência, mas provavelmente ele irá exercer funções de menor responsabilidade e ocupar cargos de menor peso, como estagiário ou trainee. 

Com um serviço de segurança e monitoramento não deve ser diferente, principalmente devido ao alto grau de responsabilidade da tarefa de proteger pessoas e patrimônio.

Considere empresas de trajetória longa e sólida no mercado de segurança e dê preferência a elas.

4. Ouça o que as pessoas e o mercado dizem

Buscar recomendações é algo bastante comum quando se vai contratar um serviço, não é mesmo? Não deixe de fazer isso, mas não se limite às recomendações de cunho mais pessoal, vindas de empresários amigos ou empresas parceiras. 

É claro que essas opiniões serão totalmente válidas para tomar sua decisão, mas torne esse processo de recomendação mais completo. Mas lembre-se de ouvir também o que o mercado tem a dizer. Veja, por exemplo, se a empresa já atuou em eventos de grande relevância ou algo do tipo. Nada como a opinião do próprio mercado para chancelar uma reputação.  

5. Considere a variedade de serviços oferecidos

Uma empresa que tem condições de fornecer somente vigilantes para segurança e monitoramento da sua organização vai atender uma parte da sua necessidade. Já uma empresa que oferece serviços de vigilância, circuito fechado de TV, rondas, sistemas de controle de acesso e alarmes vai conseguir te atender muito melhor.

Uma gama mais variada de serviços significa uma capacidade de atender a necessidades as mais diversas possíveis, e de uma maneira muito mais completa.

6. Avalie se a empresa está alinhada à tecnologia

No mundo de hoje já não é mais possível estar alheio à tecnologia. Quem assume esse risco automaticamente assume também o risco da defasagem e do atraso. Quando o assunto é segurança e monitoramento, isso pode ser ainda mais crítico, pois boa parte desse serviço tem o apoio de recursos eletrônicos.

Sendo assim, avalie se a empresa lança mão de tecnologias inovadoras para compor o pacote de serviços. Além de uma garantia a mais na qualidade do serviço, é sinal de que a empresa consegue acompanhar as demandas impostas por mudanças sociais e do mercado, e é capaz de atualizar-se.

A Minister tem qualidade reconhecida no mercado e larga experiência na prestação de serviços de segurança e monitoramento. Conheça mais sobre nossos serviços.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *